Associação de Criadores de Purunã presente no Show Rural

- Associação de Criadores de Purunã presente no Show Rural

Com 33 animais em exposição no Show Rural, a Associação de Criadores de Purunã (ACP) está presente na mostra pecuária do evento. Interessados na raça podem procurar o estande para compra de sêmen, touros e até de embriões.

Segundo o presidente da ACP, Piotre Laginski, a raça genuinamente paranaense vem ganhando cada vez mais adeptos, com criadores interessados em estados do Sudeste, Centro-Oeste, Norte e até no Nordeste.

A raça Purunã resulta de mais de 30 anos de estudos e cruzamentos envolvendo animais Charolês, Aberdeen Angus, Caracu e Canchim. Foi planejada para agregar os melhores atributos de cada raça formadora.

Charolês contribuiu com a velocidade de ganho de peso, grande rendimento de carcaça e elevado percentual de carnes nobres. Angus conferiu precocidade, tamanho adulto moderado e temperamento dócil, além de carne macia e com alta qualidade de marmoreio. Caracu e Canchim transmitiram rusticidade, tolerância ao calor e resistência aos parasitas.

Vacas Purunã se destacam pela habilidade materna e boa produção de leite, características herdadas de Caracu e Angus. A raça também vem se destacando pela precocidade sexual e bom desempenho dos touros em regiões de clima mais quente.

Purunã pode ser adotada tanto para criação exclusiva quanto em cruzamentos com vacas Nelore e aneloradas, visando terminação, apontam os pesquisadores,.

Purunã é a primeira raça de gado de corte desenvolvida no Paraná e também a única gerada em um centro estadual de pesquisa.

O trabalho para sua formação começou no início da década de 1980, quando os pesquisadores do IAPAR constataram que, na luta para aumentar o rendimento dos rebanhos – com uso de inseminação artificial, seleção genética e cruzamentos industriais –, os criadores encontravam dificuldades na condução de acasalamentos e desconsideravam parâmetros genéticos cruciais para obter o máximo que cada uma das raças envolvidas tinha a oferecer.

Para enfrentar o problema, propuseram entregar aos pecuaristas um composto – também chamado de bovino sintético, pois é obtido pelo cruzamento sucessivo e controlado de diferentes raças – já pronto, formado a partir das raças Charolês, Aberdeen Angus, Caracu e Canchim.

O nome da raça é uma homenagem à Serra do Purunã, que separa o primeiro e o segundo planaltos do Paraná e é próxima da Fazenda-Modelo, em Ponta Grossa, estação experimental onde vem sendo realizado todo o trabalho de cruzamentos e seleção.

Fonte: Iapar